O custo da venda perdida

A maioria das empresas tem passado por controles mais acirrados de estoque nos últimos anos. A principal razão disso é a preocupação com a redução do custo financeiro do estoque, que pode se tornar alto, principalmente em épocas de altas taxas de juros. Por outro lado, a redução sem critérios do nível de estoque pode comprometer as vendas da empresa, gerando resultados negativos, tanto em imagem, quanto em queda de lucro líquido.

            Principalmente para as empresas do varejo, o estoque representa um investimento significativo e precisa ser cuidadosamente gerenciado. Podemos analisar a eficiência das mercadorias do estoque de uma empresa usando a seguinte expressão matemática:

  Eficiência = Margem x Giro. .

            A título de ilustração, vamos analisar três mercadorias hipotéticas A, B e C. Foram levantados os estoques médios mensais e as vendas mensais de cada tipo de mercadoria. O giro foi calculado dividindo as vendas pelo estoque. A margem de contribuição é o percentual sobre o preço de venda da diferença entre o preço de venda e as parcelas variáveis do custo da mercadoria (preço de custo, impostos e comissão). É importante observar que a margem de contribuição é diferente da margem de lucro, uma vez que esta despreza todos os custos fixos, considerados irrelevantes a este tipo de análise por ocorrerem independentemente da realização da venda.

Itens Mercadoria A Mercadoria B Mercadoria C
Estoque – R$      42.500,00      24.500,00      17.500,00
Vendas – R$      32.500,00      36.500,00      42.560,00
Giro              0,76              1,49              2,43
Preço de Custo – R$      20.250,00      23.550,00      28.600,00
Impostos s/ Venda – R$       4.384,13       5.098,58       6.191,90
Comissão – R$       1.012,50       1.177,50       1.430,00
Margem de Contribuição – % 21,09% 18,28% 14,89%
Eficiência          0,1613          0,2724          0,3622

            Na tabela, podemos observar que a mercadoria mais eficiente é a mercadoria C, justamente a de menor margem. Isso ocorre com freqüência no varejo e, às vezes, os empresários dão pouca importância para esse tipo de mercadoria, pois sua margem é a menor da loja. Por isso é importante a análise correta da eficiência de uma mercadoria, que é composta de duas parcelas: margem e giro.             Mas cuidado! A mercadoria C pode se tornar a menos eficiente da loja no próximo mês. Isso acontecerá se o estoque médio mensal dobrar e as vendas continuarem no mesmo patamar, o que resultará num giro igual a 1,22 e uma eficiência igual a 0,1811, ou seja, metade da eficiência anterior. Nota-se que é de suma importância o controle rigoroso  do estoque, pois as mercadorias podem perder eficiência com a queda do giro.

            Podemos também calcular o custo da falta e o custo do excesso de uma mercadoria em estoque. Tomando como exemplo a mercadoria A da tabela anterior e admitindo que seu custo unitário seja R$ 20,25 e seu preço de venda unitário R$ 32,50 (foram vendidas 1000 unidades no mês) e que o custo do dinheiro seja 2,5 % ao mês. Podemos calcular o custo da falta e o custo do excesso da seguinte maneira:

Custo da falta: R$ 32,50 x 21,09% = R$ 6,85 (representa a margem de contribuição que a empresa deixou de obter pela perda de venda de uma unidade da mercadoria C)

Custo do excesso: 20,25 x 2,5% = R$ 0,51 (representa o custo que a empresa teve por ter deixado a mercadoria A “parada” no estoque por um mês).

Observe que o custo da falta é cerca de 13 vezes maior que o custo do excesso. Na indústria, geralmente, o custo da falta é ainda maior que no comércio.

            Espero ter deixado claro a importância de um rigoroso controle do estoque, pois, como vimos, uma mercadoria que poderia ser eficiente, pode deixar de ser se houver erro por excesso na compra. Por outro lado, se houver erro por falta na compra, a empresa perderá a oportunidade de ter um bom lucro.

Comentários