A tomada de decisão nas empresas

O mercado de trabalho está em transformação e exige que as pessoas da linha de frente compreendam as consequências financeiras de suas decisões e ações principalmente em relação aos investimentos realizados na empresa. São inúmeras as possibilidades de investimentos, mas o capital disponível não é suficiente para satisfazer toda a demanda, surgindo então um problema a ser resolvido: como selecionar as alternativas de investimento com maior viabilidade econômica? Isto exige que os profissionais dessas empresas tenham conhecimentos das técnicas da Matemática Financeira e que saibam utilizar todo o potencial de uma calculadora financeira, como, por exemplo, a HP-12C, que é a mais usada no mercado. É importante também saber utilizar os recursos financeiros da planilha Excel.

As decisões “de como investir”, “de comprar ou alugar um equipamento”, “de definir a substituição de equipamentos”, “do que produzir” e “quanto produzir” têm que ser tomadas em bases racionais, hoje em dia não se pode confiar apenas na intuição. A análise sistemática dos projetos de investimento será o instrumental para evitar uma alocação ineficiente dos recursos disponíveis e, conseqüentemente, aumentar o valor da empresa.

Os profissionais da linha de frente na área financeira das empresas devem ter conhecimentos sólidos da Matemática Financeira, tais como: saber utilizar os conceitos fundamentais e práticos da Matemática Financeira, considerando o cenário econômico e financeiro brasileiro nas tomadas de decisões empresariais. Saber analisar e tomar decisões a respeito de aplicações financeiras, projetos de investimentos e viabilidade de empresas. Ter o conhecimento necessário em Finanças para tomar decisões com base nas demonstrações financeiras.

As principais funções do Administrador Financeiro são:

  • Manter a empresa em permanente situação de liquidez. Para atingir este objetivo é de fundamental importância uma boa sintonia entre o Administrador Financeiro e a alta direção da empresa.
  • Procurar maximizar o retorno sobre o investimento realizado.
  • Administrar o capital de giro da empresa.
  • Estar atento aos investimentos realizados no ativo imobilizado.
  • Estimar o provável custo de recursos de terceiros a serem captados.
  • Analisar as aplicações financeiras mais interessantes para a empresa.
  • Analisar as demonstrações financeiras da empresa.
  • Informar à alta administração sobre as condições econômico-financeiras atuais e futuras da empresa.
  • Fazer simulações com o objetivo de identificar ameaças e oportunidades para a empresa.

Principalmente nos períodos de expansão, as empresas tendem a se descuidar de sua liquidez, comprometendo a sua saúde financeira. Para evitar tal problema, deve existir na empresa um sistemático e rigoroso planejamento e controle sobre o fluxo de caixa.

A elaboração do fluxo de caixa é realizada a partir de projeções de vendas e custos da empresa. Baseando-se nessas estimativas, o administrador financeiro projetará o fluxo de caixa de acordo com o ciclo operacional e as necessidades da empresa, considerando todos os ingressos e desembolsos da mesma. O fluxo de caixa constitui-se em medida adequada da rapidez com que a empresa recupera seu capital investido na forma de ativos líquidos. É através desse instrumento, que o administrador financeiro poderá verificar a capacidade da empresa de gerar capital necessário para sua expansão.

Sei que tenho lucro na minha empresa, mas onde está o dinheiro?

 

Comentários